Desafios | Jalysson Waldorf - Parte 1


Oi Oi amadinhos.
É com muito orgulho que venho apresentar a vocês o meu primeiro conto. Baseado na minha vida. Fases como a que muitos jovens são obrigados a passar. Ele foi escrito para entrar numa antologia, mas por escolha pessoal, resolvi investir o dinheiro em algo mais rentável no momento. Estou animado agora que recebi elogios de grandes nomes pra mim. 

Para não se perderem, vou deixar uma breve explicação: O texto terá duas partes porquê são duas laudas, e o mágico é que o tema da antologia é Playlist. Então antes de çer, saiba que o conto remete a um estilo de musical. Caso queira, você pode acompanhar com uma das músicas a leitura. Os títulos estão no rodapé. 
Um abração e espero que gostem.

É um desafio.

Tudo que desejo em minha vida simplesmente é fadado a desafios. Não saber para onde ir, não poder expressar as coisas como sempre quis. Sinto algo preso a mim, e sei que esse sentimento é o medo. Medo de mostrar às pessoas do que sou capaz. Medo de me tornar alguém melhor, e isso é apenas questão de tempo. Sei comigo que minha hora irá chegar e será da mais infinita forma que sempre sonhei. Levo alguns puxões de orelha da vida para melhor e soube desde o início dessa chamada que tudo vai dar certo.

Acordar é algo surpreendente todos os dias. Escutar o despertador do celular ao som de Adele me dizendo ‘Tem uma chama surgindo no meu coração tomando conta de mim e me tirando da escuridão’1, me deixa excitado ao saber que aquele dia será o meu. Venho sonhando com o inesperado diariamente desde que cheguei ao último período da faculdade. Fotografia e Cinema são as minhas paixões como a música. Sempre quis seguir uma área em que pudesse representar a vida da forma mais original. Escolhi, então, seguir com meus trabalhos autorais. Como sempre saem dizendo por ai até hoje, que investi em algo errado. Não é bem assim. O que se ama deve ser seguido em linha reta para se chegar ao tão desejado lugar. Apesar de que o que tenho hoje é graças à persistência e à minha ambição. Infelizmente estou em um banho nesse momento e tenho que deixar toda essa visão para outra ocasião.

Se você veio até aqui para ler uma história feliz, me pule, feche o livro, ou apenas ignore. Se você é teimoso e gosta de uma boa verdade, seja bem vindo à minha vida. Isso aqui é uma carta aberta, não para causar, apenas para deixar meu escritor bem feliz porque a única coisa que ele quer é que pessoas o conheçam da forma mais pura e verdadeira sem máscaras que o impeçam.

Meu nome..., me esqueci. Me chamo Jalysson e ultimamente estava achando que era a pessoa mais feliz do mundo. Sempre busquei o melhor para que me tornasse uma boa pessoa, mas parece que o mundo nos toma essa chance e nos diz não. Quando criança, conheci uma jovem que cantava suas músicas para o mundo e pregava boas ações, e em suas letras continham umas coisas da vida dela. Como batia algumas coisas. Quanta coincidência. Essa menina se tornou mulher, e me ensinou tanto. Conto as pessoas e elas morrem de rir. Já se foi a época em que me importava quanto citava Demetria Devonne Lovato.

‘Chama tão brilhante que faz a luz do dia parecer escura2. Que chama era essa? Demorei para me tocar de que a luz quem cria somos nós mesmos. Como gostava de ser diferente e ao mesmo tempo notado no ensino fundamental, fazia de tudo para agradar a todos, menos a mim, que chegava em casa todos os dias e tinha uma mente rodeada de pensamentos ruins. Cresci num meio onde era obrigado a ouvir todos os dias que eu era um viadinho, o gayzinho da turma. Tão engraçado ao perceber que hoje sou melhor que todos esses que diziam isso de minha pessoa.

O mais verdadeiro de tudo, e sofrido, era ter a repressão em casa. Não ser aceito é um problema para uma criança. O meu meio social era tão ruim e vi pessoas ruins a vida toda até a fase em que decidi mudar.

Ouve uma escolha a ser seguida. Tomei a mais amarga. Decidi ser melhor e sofrer as consequências que uma pessoa livre sempre teve. A de procurar as coisas na rua. Assim como Demi Lovato canta em Father, sinto o mesmo. ‘Pai, eu vou te agradecer mesmo que ainda machuque3 e ainda completo que sempre te amarei eternamente por não ter me dado todo o amor necessário.

Rodapé:
1- Rolling In The Deep, Adele  - Composição: Adele Adkins / Paul Epworth.
2- Kingdom Come, Demi Lovato feat. Iggy Azalea – Composição: Julia Michaels, Steve Mac, Demi Lovato e Amethyst Amelia Kelly.
3- Father, Demi Lovato – Composição: Demi Lovato e Laleh Pourkarim.

Comentários

  1. Oii,Jaly. É muito bom quando fazemos um trabalho, algo que a gente goste, e ainda recebemos elogios, ne? <3 aliás, você merece porque o conto começou lindamente lindo.
    A descoberta, a opressão, a necessidade de ser livre são sensações que estão presentes na vida de todos os jovens, ainda mais nessa geração.
    O mais legal também da vida é que a gente vai criando conceitos fantásticos que nos levam a um crescimento inimaginável.
    Gostei muito do jeito que você acrescentou as músicas no conto, e sinto até que elas estão realmente presentes em sua vida <3 Na minha vida também sempre penso em músicas em alguns momentos e, se depender, até tomo decisões pensando nelas rsr.

    Aahhhh, Jaly, parabéns parabéns parabéns. Kah também se sente orgulhosa por você. Quero a outra parte.

    Beijos,
    Cupcakeland

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Mais Visitadas do mês

Balançando a Raba 4.0

It - A Coisa | Crítica

Missão Fênix - A Outra Guerra | Resenha #93

Serial Killers - Anatomia do Mal | Resenha #95

IMPORTANTE. LEIA!