Tudo Culpa da Netflix!


Oi Oi amigos
Tudo certo?

Você já sentiu aquela vontade de sair sumindo com todos os livros que você vê? Por incrível que me pareça, eu estou nessa vibe e finalmente dei uma desligada da leitura. 

Vou detalhar melhor. Com a alta aparição de filmes e a nova tecnologia de poder tê-los mais perto através de apenas um link por um programa, poxa, um lançamento dos cinemas, ou algo inovador pela Netflix me fez perder o interesse pelos livros. Gosto de apreciar as novidades como os grandes autores nacionais e imensos sucessos do mundo literário pelo mundo afora. 

Confesso que não é o livro, sou eu apenas. No entanto eu não queria estar desse jeito porque estou recebendo algumas obras direto da Editora Verus por cortesia, mas me sinto na obrigação de que tenho que ler para mostrar a minha visão. 

Quem acompanha o blog já há tempos, sabe sobre o Turista Literário que só vem com belos livros e infelizmente de treze obras, li apenas um. Isso é ardiloso pois estou aprofundando mais e mais na preguiça. Não consigo me concentrar em pegar um livro e ler como eu sempre fazia antigamente. Juro que meu amor pelos livros se mantêm de pé, mas aquela sequidão de saber pela história, pelo desfecho, já era.

Estou numa amargura porque esse último domingo, eu peguei o livro "Fera" e estou amando. Mas consigo ler apenas fora da minha casa. Não consigo fazer uma humilde leitura aqui dentro. Muito barulho. Não consigo mais ler ouvindo música. Faço uma coisa, ou me atento a outra. 

Me digam dicas de como poder superar, por favor. Já fiz de tudo migrando de uma leitura para outra e enfim... Estou muito concentrado também nas minhas fotos. Pra quem não sabe ainda, também sou fotógrafo e faço lindas fotos. Caso queira conferir: @jalysson.waldorf.

Estou viciado demais em séries também. Isso deve afetar?
Meu Santo Cristinho leitor, socorre-me!!!

Comentários

Mais Visitadas do mês

Os Guardiões | Crítica

Serial Killers - Anatomia do Mal | Resenha #95

Edgar Allan Poe | Resenha #89

Balançando a Raba 2.0

It - A Coisa | Crítica