Stranger Things - 1° Temporada


Oi Oi amigos
Tudo certo?

Há tempos que queria assistir a essa série e comentar aqui, mas uma coisa me aconteceu pela primeira vez. O que era? Enfim. A saturação de publicações sobre essa série no meu facebook, no meu instagram, e na maioria dos blogs, só se fez com que ela mesma se tornasse chata e não interessante, ou algo que eu quereria mesmo assistir. Esse foi o único momento pra ter adiantado ela na minha lista e você vai conferir agora o que achei sobre ela. 


Pra você que não assistiu ainda, vou te dar um rumo. 
Stranger Things é uma série de drama e suspense, onde, em oito episódios, vai contar sobre a amizade de quatro amigos que é posta em ação após o desaparecimento de Will, que voltando para casa, é "sequestrado" por um ser, um monstro que eles, Mike, Dustin, Will e Lucas, imaginavam e jogavam em um jogo de tabuleiro.


A série também vai detalhar como o aparecimento de Eleven é importante para a história e ao que remete a procura de Will. Uma peça chave que com muitos mistérios adentra a história no meio do nada e certeza que todos que assistiram, até hoje não sabem o verdadeiro motivo de quem ela seja ou o que ela é. Quase no final da temporada, nos é remetida uma personagem que pode ser ligada, e até mãe de El.


O mais triste de tudo foi acompanhar o sofrimento de Joyce, interpretada pela atriz Winona Ryder, cujo trabalho foi entregue totalmente para viver a personagem, e que teve um destaque maravilhoso na vivência da mãe de Will, que procura, passa por dificuldades até que todos achem que ela está louca.


Os atores dessa série estão fantásticos e nunca vi tanto talento mirim como nessa. Um assunto que mais me animou, foi saber que Dacre Montgomery, nosso Jason em Power Ranger foi escalado para viver o irmão da Max, uma nova personagem. Felicidade define todas as minhas expectativas e vamos que vamos aguardar a segunda temporada que infelizmente está bem distante, mas não impossível.


Confesso que fui assistir a série com medo pela quantidade de comentários que ouvi durante seu lançamento de ter um monstro e tal, mas nada que me desfavorecesse a vontade de ver. Ao abrir o primeiro capítulo, fiquei assustado pelos efeitos sonoros que me aterrorizaram um pouquinho, que tive que desligar tudo do celular e repensar se queria mesmo assistir. Consegui por fim me encorajar na frente dos meus pais acordados.


Eu achei bacana demais a série e toda a história que é bem direta no que quer expressar. Consegui detectar uma falha de continuidade num momento em que Joyce conversa com seu ex-marido em sua casa. A mudança de planos, junto com a expressão da atriz, não foi condizente a continuação e a cada plano ela tinha uma expressão diferente. Mas a cena é tão forte no diálogo que nem dá pra notar tanto assim. Só quem estuda cinema que está ficando paranoico e vendo técnicas em todos os filmes e séries mesmo.


O roteiro está impecável, a fotografia de parabéns, o uso de planos importantes que podem dar uma mudada e ajuda a contar a história. E a trilha sonora que tensa? Amei a música de abertura. E não foi a toa que recebeu duas indicações ao Globo de Ouro de melhor série dramática e melhor atuação em série dramática pela atriz Winona. Não posso deixar de citar que em alguns momentos  da série, é perceptível algumas referências da época.


Comentários

  1. Tudo nessa série é tão legal, o clima de anos 80, as músicas, as roupas, as brincadeiras! Amei tanto isso! Achei a atuação da Winona Ryder maravilhosa, super realista e ela realmente se envolveu com a personagem. O elenco infantil surpreende e acredito que era esse o objetivo, mas o Xerife também me surpreendeu se saindo um ótimo profissional e levando a sério tudo o que a mãe de Will relata. Com certeza uma série de ficção científica que deu show em vários outros detalhes além da ficção propriamente dita. Esto ansiosa pela próxima temporada!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quem não? Fiquei louco quando assisti o teaser que eles disponibilizaram!

      Excluir
  2. Oi, tudo bem! Adorei a resenha, mas cuidado com os spoilers! Ainda bem que já assisti a série a um tempinho hihi Também amei a atuação da winona e o destaque que ela recebeu. Aliás, como vc disse, todo o elenco é muito bom realmente.

    bjs https://devaneiosdeslocados.wordpress.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Camilla. Tudo ótimo e contigo?
      Terei da próxima ;)

      Excluir
  3. Amei a resenha e a série já havia assistido na época do lançamento. Tudo me atrai, o suspense, crianças inteligentes, mas principalmente o fato de ter retratado a década de 80. Muito legal. Estou ansiosa com a próxima temporada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também estou. Acho que esse fato de ser passada nos anos 80, aliviou muita gente. E a questão da ficção-científica no passado torna tudo mais interessante.

      Excluir
  4. Eu assisti essa série logo que a Netflix lançou. Achei muito legal ler a sua análise da fotografia e da continuidade na série, porque como eu não conheço muito da área, não pego muito esses detalhes. Muito legal mesmo.
    Beijos
    Mari
    www.pequenosretalhos.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Mari. Como eu sempre escrevo: Estou me tornando o louco das técnicas. heuheue

      Excluir
  5. Tinha visto no Netflix e lido algumas críticas, mas ainda não tive a oportunidade de assistir, vou confessar que estava um pouco receosa de me decepcionar por não ser tão boa. Vou assistir e tirar a dúvida! Parabéns pelo post!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Cíntia. É incrível. Vai se surpreender, assim eu espero.

      Excluir
  6. Ainda não consegui assistir a série, mas vejo muita gente falando bem. Não sei se eu vou gostar, por ter muita fantasia... Não sou tão chegada.

    Mas adorei sua resenha. Beijos!

    ResponderExcluir
  7. Gostei, nunca tinha ouvido falar dessa serie, ja salvei aqui pra ver depois.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Mais Visitadas do mês

Pequenos Homens Livres | Resenha #92

EX- Humanos: Entre Sangue e Vermes | Resenha #91

Missão Fênix - A Outra Guerra | Resenha #93

Balançando a Raba 2.0

Os Guardiões | Crítica