O Diário de M.H. | Resenha #80


Oi Oi amigos, tudo bem?

Digamos que alguma coisa estranha acontece, e essa coisa estranha não passa de uma anormalidade que muitos humanos não conseguem se deparar nessa realidade que nem mesmo a enxerga. A vida de Malcolm Hammet é assim. Dono do “Malcolm Investigações”, sua função aqui é caçar e exterminar demônios deixando de qualquer maneira, os fazendo ficar longe.

Título: O Diário de M.H.
Autor: Thalles C. P. Alves
ISBN-13: 9788542809985
ISBN-10: 854280998X
Ano de publicação: 2016
Publicado por: Talentos da Literatura Brasileira
Páginas: 384
Onde Comprar: SaraivaSubmarinoAmazon.

Sinopse

Não leia isso, não é o que você pensa. Mas, se for ignorar meu aviso, vai saber exatamente no que está se metendo. Não diga que não avisei. É impossível descrever todos os tempos ancestrais que caminham conosco por essas ruas, envoltos por ilusões, eles acobertam sua perversidade no anonimato. Amor perdido, o câncer que se instala no peito de um andarilho noturno, escondendo seu coração do que parece real. No escuro, obcecados por desejos vazios, pinturas de pesadelos são trocadas por monstros mortíferos de formas originais estarrecedoras. Bairros dançam a céu aberto, sussurrando promessas de sonhos exóticos contaminando suas vítimas com delírios noturnos repletos de amor e paixão. Um estranho em uma cidade estranha.

Resenha

Se compararmos com a realidade vivida entre a gente, isso é bem comum. Lutamos com nossos próprios demônios todos os dias e com Malcolm não é diferente. Numa forma de diário, ele nos relata coisas absurdas que acontece no seu dia a dia. Com um início já cheio de adrenalina e resquícios de medo, ele nos trás um fato. Foi contratado para de qualquer modo, proteger uma jovem. Ela é sequestrada por seres malignos e está escondida num apartamento de pequeno porte. Ao se deparar com a figura que o impede de ter o que tanto precisa proteger, ele vai a luta da forma mais cômica já vista.


Malcolm é o personagem mais sofrido que já li. Não sei se Thalles, tentou de alguma forma trazer a vida dele para o personagem, mas pela descrição no livro levei isso em consideração para a construção de Hammet.


O Diário de M.H. é estranho demais. Levando pela história, eu achei fantástica como Thalles nos apresentou Malcolm de uma forma sóbria de início e já dizendo que tudo é uma realidade composta de confusão. Se não quer que eu leia, porque estão escreve esse diário, Malcolm? Você nem tem um perfil de que é um cara que escreve um diário, e isso torna engraçado toda a leitura. Imaginei ser um saco de personagem assim que comecei o primeiro capítulo, mas com o desenrolar e de como ele se detalha e se abre para as pessoas ao seu redor, o torna diferente, mas mesmo assim sendo considerado um cara com uma loucura elevada.



Tive uma leitura que não fluiu nas primeiras cento e cinquenta páginas, porque meio que se tornou mesmice. Mas assim que novos personagens entraram, eu consegui deixar que rolasse direto a leitura. Não sei se estava num bom momento para ler esse livro, porque ele me deixou com dúvidas que só eu posso me responder.


Um ponto negativo que deve ser dito aqui é o seguinte: O livro é relatado como um diário e sua diagramação toda feita nesse estilo. Não consegui ter uma conexão enquanto lia porque a narração não é direta como em “O Diário de Anne Frank”. É uma narração mista. Aos poucos temos os diálogos necessários, mas as ações são ditas em primeira pessoa do singular, deixando um toque da terceira pessoa também. Talvez o título não envolve demais, mas a questão das linhas me deixou muito confuso.



Mas não é por isso que deixa de ser um bom livro. É recém lançamento, e creio que está apenas nascendo uma criação ilusória de uma vida cheia de complicações que deveremos continuar em um segundo, porque o final foi bem aberto deixando pistas certas de que dessa vez, Malcolm esteja realmente lascado.

Espero que Thalles continue essa história. 
Até a próxima ;*

Comentários

  1. Cara esse livro esta na minha lista assim q foi divulgado. Estou louca pra ler ele!!!! Adorei saber q tem criaturas pra lá d misticas e a trama trazer um mistério. Já li livros em formato d diarios, mas, vamos ver como sairei ao ler M.H.
    Nathália Bastos - Biblioteca Lecture

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu já conheço a saga da sua vontade. HAHAHAHAHA. Leia mesmo. Depois quero saber da sua opinião em!

      Excluir
  2. Não conhecia o livro, mas já estou apaixonada por essa capa e essas páginas que parecem ser texturizadas ♥

    Amei a resenha e com certeza colocarei na minha wishlist. Preciso ter um desses na estante. :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O mais legal é a capa que dá uma impressão de couro. Adorei esse detalhe. E quando ler, vai entender toda a necessidade disso.

      Excluir
  3. Nossa que história interessante, viajei com este post!!!!! Se fiquei mega interessada lendo a resenha, imagina lendo o livro, vou ficar horas "presa" e não sossegarei enquanto não terminar! Adorei!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Desse jeito. Esqueci de mencionar na resenha que uma parte do livro meio que morre. Depois começa a petecar tudo que tive que parar, voltar a ler, terminar o livro e procurar a continuação.

      Excluir
  4. Uau...que interessante!
    Adorei sua resenha e que livro!
    Anotei a dica e quem sabe não será uma das minhas próximas leituras?
    Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ebaaa, que bom que gostou. Espero sempre trazer mais dicar pra vocês :)

      Excluir
  5. Nossa, eu já tinha visto a divulgação dele pela Novo Século, mas não tinha parado para ver do que se tratava. Caraca, eu necessito tirar minhas próprias conclusões dessa obra, preciso conhecer essa história!! Me interessei demais e vou ver se solicito com a editora!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Solicite. Vai curtir com certeza. Quero saber sua opinião depois então. ;)

      Excluir
  6. Olá! que capa belissima! ainda não conhecia a obra, mas fiquei bem curiosa para ler!

    Bjs Jany

    http://www.leituraentreamigas.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Espero que quando ler, sinta o mesmo que senti. O pesar ainda continua...

      Excluir
  7. Oi!
    Primeiramente adorei a diagramação desse livro, adoro livros em forma de diário e esse ainda vem de bonus ilustrações rsrs
    Uma pena que as primeiras 150 páginas tenham sido cansativas, vale uma revisão nisso aí para ser mais flúida a história

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, Sabrina. Mas ainda acho que a leitura é muito pessoal. o que eu digo aqui, pode não servir pra todos. Talvez você leia e não encontre esse "cansaço".

      Excluir
  8. Uau! Que livro cheio de adrenalina e eletrizante.
    Não estou acostumada a ler livros assim, porque sou medrosa mesmo. rsrs
    Mas esse me pareceu bem interessante. Adoro quando a gente pode pegar uma ficção e traçar um paralelo entre ela e a realidade.
    Parabéns pela resenha super bem escrita!

    Eliziane Dias

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Então, não é um livro pesado demais. Creio que ele está realmente dentro de cada um e acaba identificando ao ler.

      Excluir
  9. Oi! Sua resenha foi ótima, mas realmente não é um livro que me interessou. Mas que bom que você gostou! ☺️

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso acontece mesmo. :) Obrigado pela visita.

      Excluir
  10. Olá, tudo bem?
    É a primeira vez que vejo esse livro, e achei a premissa bem interessante.
    Eu só não consegui entender muito bem se a história é contada de forma pesada ou mais leve. De qualquer forma, fiquei com vontade de ler, mas primeiro gostaria de ter certeza da continuação.
    Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Esther. Muito bem, e você?
      Eu também gostaria muito saber dessa questão de continuação. Como eu disse acima, tem um final vago demais. Me parece que uma nova chamada ao herói foi imposta. Pode ficar tranquila que toda a história é contada de forma leve. Mas vale lembrar que como não te conheço, talvez pode ser revertido!

      Excluir

Postar um comentário

Mais Visitadas do mês

Desafios | Jalysson Waldorf - Parte 1

It - A Coisa | Crítica

Balançando a Raba 4.0

IMPORTANTE. LEIA!

Missão Fênix - A Outra Guerra | Resenha #93