O Teatro da Ira | Resenha #67


Oi Oi amigos
Tudo bem com vocês?

Não sei bem como tudo aconteceu, mas o blog foi um dos cincos selecionados para receber o exemplar desse livro de Diego Guerra. Recebi um e´mail e fiquei bem animado ao receber ele. Vem já saber minha opinião e também descobrir o que esse livro contêm.

Título: O Teatro da Ira
Autor: Diego Guerra
ISBN: 978-858-24-3107-8
Ano de Publicação: 2016
Publicado por: Editora Draco
Páginas: 359





Sinopse

Basta uma faca para começar uma guerra
Jhomm Krulgar é um ninguém. Um rato de estrada. Um cachorro vadio. Um mastim demoníaco. Sua espada está a venda para qualquer um com moedas no bolso e objetivos escusos. Quando uma garota surge prometendo a riqueza de um rei e a realização dos seus desejos de vingança, ele nem imagina que está prestes a se envolver em um dos mais perigosos jogos políticos de sua era.
Agora, ele e Khirk, seu companheiro silencioso, membro de uma antiga raça escrava, partem para o Sul, onde tentarão impedir os rebeldes separatistas de tomar a coroa da maior cidade do Império de Karis. Encontrarão em seu caminho um Magistrado em missão de paz e um mago ilusionista prestes a realizar o maior espetáculo da sua vida.
O Teatro da Ira, primeiro romance da série Chamas do Império, de Diego Guerra, é uma viagem fantástica onde criaturas místicas e soldados comuns lutam lado a lado nas paredes de escudo, implorando pela própria vida e alimentando as fogueiras da morte para fazer valer as vontades de reis e nobres.
Enquanto Krulgar busca cegamente a sua vingança, não faz ideia de que se tornou apenas mais um dos personagens sombrios deste Teatro da Ira.

Resenha

O Teatro de Ira é uma ficção medieval que nos apresenta um jovem chamado Jhomm Krulgar, um garoto que vive com seus parceiros até ter sonhos esquisitos. Algo mais levado para uma visão. Toda vez em seus momentos de sono, ele consegue ver uma garota, Liliah. No seu sonho ele enfrenta um monge que o ameaça com a morte e ele não sabe o que fazer.

Em outro momentos temos Thalla, filha do nobre Cirius, que tenta forçar ela a se casa com o príncipe Oren. Seu pai esconde um segredo: Como sua mãe morreu. Thalla se revolta e resolve então deixar o castelo para uma missão. Seu maior desejo é matar o próprio pai e quer por que quer descobrir toda a verdade. Thalla se encontra com Krugar e embarcam numa misteriosa e esquisita missão.


Jhomm Krugar é um dos personagens principais da trama e faz com que o livro seja dividido em duas narrações. A dele e a de Thalla. Os desejos de ambos acaba se encontrando e eles são orientados pelo mover da história a adentrar um mundo com criaturas estranhas e guerreiros que farão de tudo para combater a guerra que se aproxima. 


A leitura é um pouco pesada e quando se lê um livro assim, você é obrigado a prestar um pouco mais de atenção. Muitas coisas rápidas acontecem e a conclusão é de que tudo é inocentemente realizado com muitos detalhes. Tem também uma outra parte que acaba nos confundindo. O verdadeiro teatro. Esse é o que bagunçou a minha cabeça, porque eu ficava me perguntando: "Que coisa é essa aqui?". Chega até a ser estranho no momento que lia, mas depois as coisas foram se entendendo.


Com toda minha sinceridade, eu não consegui terminar a leitura justamente por isso. Não sei muito bem ao certo o que me ocorreu, mas irei ler novamente assim que minha mente estiver preparada. Tudo que vocês estão lendo aqui, é apenas uma visão por alto das coisas. Li mais de 200 páginas e pude ter uma certa noção de como vai acabar, ou não, não sei. 


Os personagens foram bem estruturados e com uma trama concisa. Drama, humor e suspense e me deixou com a dúvida: "Em quem posso acreditar aqui?". A guria quer matar o pai por um motivo relevante, o meio cão Jhomm é estranhamente confuso em tudo que faz até que chega o momento e diz que as coisas tem que mudar. O livro possui também frases inspiradoras que me colocou para refletir um pouco.


Como não conclui o livro, não consegui reconhecer a verdadeira mensagem que Diego nos aborda. Como eu disse, vou pegar ele para ler novamente assim que as coisas se acalmarem e eu volto aqui e digo pra vocês. A cena da capa é bem interessante. Se passa em um momento de desespero de alguns personagens e mortes são instauradas. Muito bacana a ideia. Chamou a atenção.

Eu espero que tenham gostado da resenha. Até a próxima ;*.

Comentários

Mais Visitadas do mês

Desafios | Jalysson Waldorf - Parte 1

It - A Coisa | Crítica

Balançando a Raba 4.0

IMPORTANTE. LEIA!

Missão Fênix - A Outra Guerra | Resenha #93