Por Lugares Incríveis | Resenha #58


Oi, oi, oi pessoal! Tudo bem com vocês? Hoje trago uma resenha de um livro que em breve vai se tornar um filme! Aproveitem para ler antes de ir ao cinema! (p.s. ganhei esse livro nas cortesias do Skoob!!!)


“Aprendi por experiência própria que a melhor coisa a fazer é não falar o que realmente pensamos. Se não falamos nada, as pessoas concluem que não estamos pensando em nada além do que deixamos que elas vejam. ”


ISBN-13: 9788565765572
ISBN-10: 8565765571
Ano: 2015 / Páginas: 336
Idioma: português

Editora: Seguinte









Sinopse


Violet Markey tinha uma vida perfeita, mas todos os seus planos deixam de fazer sentido quando ela e a irmã sofrem um acidente de carro e apenas Violet sobrevive. Sentindo-se culpada pelo que aconteceu, Violet se afasta de todos e tenta descobrir como seguir em frente. Theodore Finch é o esquisito da escola, perseguido pelos valentões e obrigado a lidar com longos períodos de depressão, o pai violento e a apatia do resto da família.
Enquanto Violet conta os dias para o fim das aulas, quando poderá ir embora da cidadezinha onde mora, Finch pesquisa diferentes métodos de suicídio e imagina se conseguiria levar algum deles adiante. Em uma dessas tentativas, ele vai parar no alto da torre da escola e, para sua surpresa, encontra Violet, também prestes a pular. Um ajuda o outro a sair dali, e essa dupla improvável se une para fazer um trabalho de geografia: visitar os lugares incríveis do estado onde moram. Nessas andanças, Finch encontra em Violet alguém com quem finalmente pode ser ele mesmo, e a garota para de contar os dias e passa a vivê-los.





Resenha

"Conheço a vida bem o suficiente para saber que não podemos acreditar que as coisas vão ser sempre iguais, não importa o quanto a gente queira. Não podemos impedir que as pessoas morram. Não podemos impedi-las de ir embora. Não podemos impedir nós mesmos de ir embora."

A história é narrada em pessoa: ora narrada pela Violet, ora narrada pelo Finch. Então sempre que começa um novo capítulo, logo em cima na página vem o nome de um dos dois personagens. Violet é uma garota com muitas possibilidades maravilhosas para a vida, mas a morte da irmã a abala profundamente. Muitas vezes vemos a personagem de usando a morte da irmã como muleta para não fazer alguns trabalhos escolares ou não tomar algumas decisões. Os professores muitas vezes ao passar um trabalho para a classe, dizem a Violet que ela pode “fazer no seu tempo”, então vemos Violet deixar de fazer algo e se apoiar nessa frase. Lidar com a perda da irmã que era sua companhia em tudo inclusive no blog que elas tinham e nos planos de futuro, coloca Violet como expectadora da própria vida, até o dia que ela conhece Finch. Finch é um cara que sofre muito bulling por parte dos colegas de escola e é negligenciado pela família. Como já tentou o suicídio várias vezes, ele vive em busca de outros métodos de morrer, e é assim que ele conhece Violet. 





O que eu achei

Nos capítulos narrados pela Violet, a gente sente uma preocupação com o futuro e uma vivência do luto pela perda da irmã. Já nos capítulos narrados pelo Finch a gente sente que sempre tem algo que não sabemos explicar, ele quer muito proporcionar momentos únicos para Violet para que ela valorize tudo que há no mundo, mas ele mesmo carrega uma tristeza imensa por causa da depressão e seu pensamento constante com o suicídio. Os locais que ambos visitam deixam um significado íntimo em cada um. A escrita da autora muda muito dos capítulos da Violet para o Finch e isso faz com que a gente sinta que está realmente em contato com os personagens. Achei esse livro fantástico pelo fato de ser tão próximo da realidade, por ter falas tão propícias as situações, por ter personagens verdadeiros e palpáveis. 

"Ao que parece, crescer trinta e cinco centímetros é fácil, o difícil é conseguir crescer para além do rótulo. E é por isso que é mais vantajoso fingir ser como todo mundo, mesmo sabendo desde sempre que somos diferentes." 

O desenvolvimento e amadurecimento da Violet é próximo da realidade de jovens, os pais dela são preocupados, mas ao mesmo tempo sabem dar o espaço que a filha precisa, vi atitudes dela idênticas a atitudes minhas quando eu tinha a idade dela, da mesma forma que muitas coisas que o Finch fazia e pensava me descreviam muito bem. Sem contar a irmãzinha mais nova do Finch que parecia saltar do livro para realidade (foi uma criança muito bem escrita e com falas e pensamentos exatos de uma criança de 8 anos). É um livro que vale a pena, daqueles que quando você termina de ler você fica pensando e refletindo sobre o que foi que aconteceu, que dá vontade de entrar dentro e roubar os personagens pra gente, daqueles livros que quando são fechados a gente acredita que vai encontrar com os personagens no supermercado, porque é isso que a gente quer. Tipo, encontrar a Violet depois de uns 5 anos e perguntar como está a vida, como foi a faculdade, trocar umas ideias sobre blogs e leituras. Já sinto saudades! (e as melhores frases são do Finch, mas a melhor escrita é da Violet.) 

"Aprendi que existem coisas boas no mundo se você procurar por elas. Aprendi que nem todo mundo é uma decepção, incluindo eu mesmo."


Comentários

Mais Visitadas do mês

Os Guardiões | Crítica

Edgar Allan Poe | Resenha #89

Eu, Robô | Resenha #88

Obsessões por Livros | TAG

Stranger Things - 1° Temporada