A Ascensão dos Derrotados | Resenha #46


Oi Oi amigos.
Tudo certo com vocês?

Antes de tudo quero me desculpar com a Chiado Editora e com todos que cedem seu precioso tempo para ler esse blog. Não tenho sido muito ativo com postagens. Esse primeiro semestre foi tão corrido que nem consigo resumir em uma frase. Veio minhas primeiras provas, início de trabalho novo e enfim, tempo para ler: 0,5. Tive alguns acúmulos de livros para resenhar mas acabou tudo dando certo. Espero que possam me perdoar e saibam que estou controlando toda minha vida, e o blog está no cronograma. Recebi esse livro já faz algum tempinho. Pelo seu tamanho, me impressionei com a rapidez que li. 

vamos lá...

Título da Obra: A Ascensão dos Derrotados
Autor: Johnny Archer Gamba
Publicado por: Chiado Editora
Ano de publicação: 2015
Número de páginas: 581








Sinopse

Aslum, um continente que após ser arrasado por séculos de guerra parece ter finalmente encontrado a paz. Porém esta calmaria pode estar prestes a ser abalada, quando uma repentina escassez de minério atinge o Império provocando uma iminente crise econômica. Na tentativa de diminuir os efeitos da crise, o imperador Tyros e seus conselheiros Imperiais fazem acordos com a província de Dorth, antiga inimiga do Império. 
O acordo torna a economia estável, porém tem um custo: o aumento de poder e da influência de uns, e a diminuição de outros, gerando conflitos e trazendo à tona antigas intrigas e diferenças há muito esquecidas nos livros de história. Mas que continuam bem vivas na memória dos derrotados.

Resenha

Em mais um manhã Jim acordou para trabalhar. Desde criança sempre trabalhou no Vale do Minério, como seus antepassados. Chegando ao local, ele cumprimenta seus colegas de trabalho e escuta sobre um tremor dentro da mina. Tremores não são anormalidades dentro de minas mas nos últimos dias tem sido muito frequentes. Assustado ele tenta correr mas é machucado por um rocha que cai em cima de sua perna e o deixa impossibilitado de correr e tudo que vê é apenas uma escuridão.


Anos se passaram e uma escassez de minério toma conta do reino de Imperya. O imperador Tyros então convoca uma reunião com seus conselheiros, filhos e vários outros personagens importantes para a trama. Decidindo-se por fim, acabam fechando um acordo com Dorth, uma antiga inimiga do reino. As coisas estão em paz e Tyros resolve fazer a volta de um torneio já adormecido. Os reinos competem entre si. É como se fosse as olimpíadas hoje. A cidade toda começa aquele movimento majestoso de animação. Infelizmente nem tudo é alegria. O gosto pela vingança e poder toma conta de um dos reinos. Uma grande guerra está por vir. O que será desse Novo Império?


Essa ficção medieval é muito boa. Antes de tudo tenho que lhe informar: Não falei muita coisa então não se preocupe com  spoiler. É um livro grande e cheio de informações e detalhes. Precisamos nos atendar a cada um deles. Os personagens, eu sempre penso que são demais. Mas sabe aquele momento que você diz "Esse personagem é foda"? Você toma consciência de que ele é certo para aquilo. Claro que antes de publicar um livro, o autor se depara com grandes ideias. Johnny conseguiu reunir tudo nesse. Drama, suspense e um pouco de humor toma conta no decorrer desses quinhentos e oitenta e um páginas (581).


Johnny está de parabéns e lógico que quero o livro dois (02). A diagramação do livro está bem simples e bem feita. Faltou um pouco de atenção na correção do livro, percebi muitos erros, muitos mesmo, mas isso não me impediu de querer ler e saber como Aeros, Argor, uns dos meus personagens preferidos iriam lidar com toda essa "guerra". Emoção não falta porque a cada momento que eu estava lendo, era uma novidade que o autor me passava. Pode ser bem clichê você pegar um livro de ficção medieval e dizer que não é envolvente, porque todos tem a mesma coisa. Mas aqui em As crônicas do Novo Império, pude ter certeza que pode sim ser diferente. Já está nos favoritos e já avisei: Quero o Livro 2.


Sobre a Editora

Chiado Editora é especializada na publicação de autores portugueses e brasileiros contemporâneos, sendo neste momento a maior editora em Portugal neste segmento, e uma das editoras em maior crescimento no Brasil. Em pouco mais de sete anos de existência, a Chiado Editora revolucionou o mercado do livro em língua portuguesa, editando mais de 1000 novos títulos por ano! Em virtude dos métodos inovadores de produção e distribuição que desenvolvemos, todos os livros publicados pela Chiado Editora estão, a todo o momento, disponíveis para todos os Leitores, nas maiores redes livreiras de Portugal e do Brasil.
A política editorial seguida pela Chiado Editora visa democratizar o mundo editorial, gerando as melhores oportunidades para os Autores, e oferecendo aos Leitores excelentes obras, de variadíssimos gêneros, a um preço justo e sem preconceitos.

É isso pessoal, espero que tenham gostado da resenha. 
Não deixe de comentar o que achou.
Se cuidem.
Até a próxima.
Beijão ;*

Comentários

  1. Olá Jalysson,
    Adorei a tua opinião e fiquei muito curiosa com o livro.
    Boas leituras.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Mais Visitadas do mês

Os Guardiões | Crítica

Serial Killers - Anatomia do Mal | Resenha #95

Edgar Allan Poe | Resenha #89

Balançando a Raba 2.0

It - A Coisa | Crítica