X-Men: Apocalipse | Crítica



Lançamento: 19 de maio de 2016
Dirigido por: Bryan Singer
Gênero: Ação/ Aventura/ Ficção científica
Nacionalidade: Estados Unidos.


Oi Oi amigos.
Tudo certo com vocês?

Terça-Feira (24/05), dia de feriado na cidade, resolvi ir ao shopping apenas para o conhecer. A tentação estava gritando mesmo antes de entrar ao local, para assistir ao filme que tinha sido lançado recentemente. Na vibe de ter assistido "Guerra Civil" bem próximo ao lançamento, me levou também a não deixar pra depois com esse filme. Prometo não contar muitos spoilers, será difícil, até porque quando a  gente fala de uma coisa que realmente amamos, se torna tão aberto que nem vemos.


Como a maioria dos filmes de hoje em dia traz uma pequena introdução, com esse não seria diferente. As cenas já começam há muitos anos passados (MUITOS MESMO), no Egito. Começa uma linda cerimônia, e eu já imaginei "Porra, o final de X-Men Evolution, termina exatamente assim, mas que delícia". Eu fiquei todo animado, claro. Ver os personagens usando aquelas roupas egípcias me deixou num ápice estranho. Essa tal cerimônia é para simplesmente transferir o "espirito/alma/poder" para um corpo mais jovem. Já vemos, claro, o Apocalipse todo velho e cheio de rugas. Essa tal transferência será em um corpo que se regenera e que assim poderia viver por muito tempo. 


Gente, tenho que assumir e desabafar: QUE CERIMÔNIA LINDA!. Os quatro cavaleiros dele estão com ele para o proteger de qualquer imprevisto. Mas é claro que esse imprevisto iria acontecer. As coisas acontecem muito rápido. Muitas lutas são travadas, mortes. A pirâmide começa a desmoronar, o procedimento ainda está em andamento, mas mesmo assim seus cavaleiros o defendem com a própria vida.


Muitos anos se passaram e já estamos nos anos oitenta (80). Em uma pesquisa da CIA, uma agente é enviada para fazer algumas análises. É aqui que a coisa começa a literalmente esquentar. Ela descobre uma entrada para um subsolo e consegue ver algumas coisas ali e fotografar. Ela se depara com um tipo de ritual como se fosse invocação ou até mesmo para ressuscitar o Apocalipse. A coisa acaba dando certo por causa do sol, que não entendi direito isso. Apocalipse por fim acorda de seus anos soterrado e se depara com uma civilização totalmente diferente e estranha. Como ele era um Deus naquela época, ele se assusta ao ver o povo seguindo ordens de homens. Ele sai a procura de quatro cavaleiros, que é formado por: Tempestade, Psylocke, Anjo e Magneto. Ele os dá força para juntos purificar a nova terra ao qual ele governará com seus infinitos poderes. O CARA É FODA!
Em outro lado, temos o Professor Xavier que acaba sendo tocado por tamanho poder de Apocalipse. Agora o que o resta é encorajar seus alunos para combater esse cara que pode dizimar tudo.


Foi tudo muito intenso. Não posso falar aqui a cena, mas em uma parte eu jurei que ia chorar. Quem assistiu sabe o que está lendo. O filme está totalmente lindo. Muitas referências foram mostradas, flash back's de filmes anteriores. Os efeitos sonoros, perfeitos. AAAAH, muitas pessoas disseram: "Eles estão forçando demais na Jennifer Lawrence (Raven/ Mística), querem colocar ela em destaque por causa do sucesso de Jogos Vorazes". É errado ver assim. Em todos os filmes ela sempre foi uma personagem precisa. Nesse, ela sim, toma um espaço grande, mas por quê? porque ela se torna uma aliada forte de Xavier. 


Como fã das HQ's e filmes da franquia, eu consegui ver uma fidelidade na cena de quando o Scott é provocado no banheiro e descobre ser um mutante. Tempestade, sou suspeito de falar. Os novos atores digo com prazer que foram as melhores escolhas para os personagens. As atuações foram espetaculares. E além de toda essa tensão, há humor. 
Já ia me esquecendo, Sabem aquele início do filme com uma trilha sonora, que mostra umas coisas antes de mostrar o título do filme? Então, essa superou a de TODOS os filmes, eu me arrupiei e assisti em 3D e ficou muito tenso não desviar dos negócios e tal. HAHAHAHAHA. Vocês precisam assistir ao filme. 

Assista ao Trailer:



Até a próxima, Galera.
Se cuidem.
Beijão ;*

Comentários

  1. Uouuuu...
    Amei a crítica! Aumentou minha ansiedade para assistir!


    E, quando eu assistir, volto aqui para debatermos sobre! Kkkkk...

    PS: Aquela introdução inicial dos filmes x-man sempre me arrepiam. Você falou desta... Quero ver como ficou!

    ResponderExcluir
  2. Essa cronologia é mais confusa que tudo. Ainda não assisti esse novo filme, mas já gostava do Evan como Mercúrio. Odeio a Jennifer Lawrence, acho ela uma PÉSSIMA atriz. Os demais atores são bem bacanas.

    Abraços.
    www.bravuraliterariablog.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. Jalysson, adorei saber de sua opinião sobre o filme. Tenho pouco conhecimento sobre a franquia, pois não assisti a nenhum dos filmes até hoje lançado. Mas sei perfeitamente da grande influência que tem no mundo do cinema, inclusive sobre os personagens únicos e de sua extrema importância, com seus poderes únicos. Confesso que não tenho interesse de assistir por agora, mas sei que um dia assistirei.
    Bjs!

    ResponderExcluir
  4. X-MEN foi com certeza o filme mais esperado por mim nos últimos dois a anos, minha expectativa era altíssima e talvez por isso eu esperava um vilão um pouco mais forte. Mas no mais amei, a aparição do Wolverine perfeita....

    ResponderExcluir
  5. X-MEN foi com certeza o filme mais esperado por mim nos últimos dois a anos, minha expectativa era altíssima e talvez por isso eu esperava um vilão um pouco mais forte. Mas no mais amei, a aparição do Wolverine perfeita....

    ResponderExcluir
  6. O ordem cronologia desse filme é um negócio que eu não consigo entender e nem sei se quero kk. Eu estou muito animada para assistir esse filme depois desse post e acho que irei tentar assistir em 3D, ruim é que como uso óculos fica difícil assistir filmes assim. Eu só tenho uma certeza quando a tempestade aparecer eu grito kkk

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Mais Visitadas do mês

Serial Killers - Anatomia do Mal | Resenha #95

Os Guardiões | Crítica

IMPORTANTE. LEIA!

Edgar Allan Poe | Resenha #89

Balançando a Raba 2.0