Gaian | Resenha #17



Oi Oi amigos.

Tudo certo com vocês?

Hoje trago pra você a resenha de Gaian, o reinício, um livro de ficção medieval.

O livro se passa no ano de 11363. Como assim uma ficção medieval nesse ano? Também fiquei muito surpreso mas vamos ver no que isso levará.

Título da Obra: Gaian.
Autor: Cláudio Almeida.
Publicado por: Novo Século, selo TDLB.
Ano e Local de publicação: 2015 – São Paulo.
Número de Páginas: 335

                                            



Sinopse:
Gaian. O reinício é uma fantasia épica e narrará os últimos acontecimentos da Sétima Era daquele mundo que revelara o nascimento de uma guerra, a queda do grandioso Reino do Norte e o reaparecimento dos guerreiros sagrados – um grupo destinado a combater o mal que trará, a cada povo de Gaian, desespero, dor, pavor e morte, e deseja acima de tudo a destruição. Quais escolhas devem ser feitas? O que importará mais? A força ou a sabedoria? Quais serão os caminhos dos guerreiros sagrados diante dos desafios? Haverá ainda espaço nas almas para a esperança?

                                           






Resenha:
Gaian é divida em seis (6) reinos: Reino do Deserto, Reino do Oeste, Reino do Norte, Reino Bárbaro, Reino do Leste e o Reino do Sul.


A estória se inicia em Arinon, uma das cidades fundadas por moradores do Reino do Norte.
A cidade de Arinon é liderada por Ehlen Karon. Nela possui também anciões que tomar conta de tudo que acontece nas questões políticas da cidade. Nos últimos dias, Ehlen, começa a ter alguns sonhos que pra ele são alguns presságios. Com medo de tudo que acontece em seus sonhos ele então decide fazer uma reunião com os anciões para tirar conclusões do que deverá ser feito. Algumas regras são impostas e a maioria deles não vão de acordo com o que seu líder diz e acha que ele possa estar ficando louco.

“Um dos resultados naturais da evolução é saber avaliar a dificuldade”

Após essa tal reunião alguns anciões decidem ir a um bar para passar a noite e ali fazem várias piadas, se embebedam e continuam ali. Um ser muito estranho para eles entram naquele bar e fica sentado em uma mesa afastada do grupo. Portanto ficam ali suspeitando daquele homem com sua capa com capuz e ficam por isso mesmo. Quando olham novamente para a mesa, não trem mais ninguém. De repente eles vislumbram uma luz azul fora do bar e ficam mais assustados ainda. Lembrando que em Arinon nenhuma pessoa é treinada. São apenas pessoas que encaram o trabalho no campo e no comércio normalmente sem nenhuma preocupação.

Hein Drumar é um jovem camponês de Arinon, está noivo de uma bela jovem chamada Dyan Karÿ. Após uma festa ter acontecido na cidade, os dois decidem dar um “passeio” para aproveitar o momento a dois, aquela coisa de casal apaixonado. Depois de verem que está meio tarde, Hein leva Dyan em sua casa. No meio do percurso eles avistam quatro homens andando por ali. Hein deixa sua amada na casa de seu pai e segue caminho a sua. Durante a volta ele se depara novamente com um grupo de pessoas em meio a uma discussão. Ele se aproxima daquele grupo e sabe muito bem que aquela discussão não está tomando um bom rumo.


“- A honra, quando usada apenas para justificar atitudes, é um símbolo enaltecido pelo vazio.”

No meio daquela discussão ele vê que alguns deles se transformam em lobisomens e atacam ferozmente o que parece ser um guerreiro. Sem saber o que fazer ele tanta “fugir” dali mas já é tarde demais. O guerreiro salva sua vida. Logo após toda essa batalha, o conselheiro da cidade se aproxima e toma por si de que o guerreiro seja um inimigo e que a vida de Heim esteja  em perigo. Pelo contrário. Heim explica tudo que aconteceu ali e o guerreiro então convoca todos os anciões para uma reunião urgente. Heim pensando que irá se safar, não consegue. Como testemunha de tudo que viu ali ele é obrigado a participar daquela reunião.

Com muito espanto todos os anciões comparecem aquela reunião suspeitando de que Arffek – o guerreiro- seja um inimigo. Aliás, que será esse homem? O que ele tanto deseja dizer para eles? O que será que esse homem sabe, que eles não fazem ideia do que seja?. 

Cláudio Almeida nos trouxe em seu livro personagens que são capazes de fazer você gostar deles, cheio de estruturas formais. Brisrar, uma das guerreiras me passou muita confiança durante suas aparições; Ulthigar já com toda sua determinação e foco, aprende coisas extraordinárias. Fiquei bastante feliz quando apareceram dragões no último capítulo (não tem nada de spoiler aqui), tem também alguns seres do submundo e essa pegada num livro ainda medieval é bem bacana porque conseguiu me fazer ficar ainda mais tenso a cada confronto. Podemos tomar consciência de que o autor tenta passar para o leitor coisas que hoje em dia são fundamentais na vida do ser humano. Frases que pra mi serão marcadas como épicas foram induzidas no livro de uma forma avassaladora. Eu fotografava cada frase "foda" que lia e já mandava para meu amigo/irmão Fabio, onde ele respondia com afinco toda foto que eu mandava. 

“- Você está certo em um ponto... A face da morte repousa sobre meu rosto, porque sou a própria morte.”

Eu estou absurdamente louco pela continuação. Que Cláudio não me faça ter que esperar muito tempo, viu senhor Cláudio? heuheuhuehue.

Gaian, é um livro com passagens rápidas. Como assim? São mais de trezentas (300) páginas contando acontecimentos bem elaborados em um curto tempo. Assim fazendo com que esses momentos sejam bem detalhados com coisa que o leitor não espera ler. Será um livro que recomendarei muito para meus amigos e leitores e com certeza você irá ficar encantado por essa ficção como eu fiquei. Sem contar que ainda nem falei do livro fisicamente. Como todo mundo sabe, eu amo os livros da Novo Século e gente, o livro é muito bem revisado, capa muito bem feita, achei apenas a fonte pequena, mas tirando isso, está lindo. Cada capítulo possui um desenho, cada uma delas traz como o foco da capítulo ali. Tenho apenas a parabenizar todo o pessoal e ao autor, óbvio.

Sobre o Autor:


Cláudio Almeida tem 39 anos e nasceu em Brasília/DF. Seu primeiro contato com o mundo literário foi através de poesias. Cedo, ele se interessou por ideologias, simbologias, ciências, religiões e mitos. Foram os filmes, no entanto, que o levaram até o mundo de Gaian. Uma história iniciada em uma tarde de 2005 e terminada em meados de 2010. Desde então, Cláudio se dedica a histórias de fantasias e ficção científica, as suas maiores paixões literárias.




Então é isso galera, se você gostou da resenha e ficou super curioso, adquira seu livro clicando AQUI.

Deixa aqui também o seu comentário, se tem interesse em ler, se já leu, o que achou?
Seu comentário é muito importante pra mim.

Se cuidem e fiquem com o Papai do céu.
Até a próxima postagem.

Beijão :*

Comentários

  1. Adorei a resenha Jaly, parabéns!
    Fiquei muito curiosa em relação ao livro, adorei mesmo!

    Beijinhos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Fran. Realmente o livro deixa a gente com esse pontinho de curiosidade.

      Excluir
  2. Meus parabéns, Jalysson! A resenha ficou show de bola!

    Abração, Cláudio.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Cláudio. Novamente valeu pelas dicas. :)

      Excluir
  3. Oi!!!
    Um tipo de livro que gosto muito, acho uma época fascinante e mística. O livros parece ser lindo e uma viagem a parte, acho super bacana quando tem algum tipo de ilustração.

    Abraços Carla Fernanda

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Carla. Realmente livros com ilustrações chamam nossa atenção. Ainda mais com um livro relatando coisas fantásticas.

      Excluir
  4. Amei a resenha Jaly! Vai para a listinha rs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Amanda. Quero saber sua opinião sobre o que achou depois pra gente discutir sobre.

      Excluir
  5. Olá, adorei sua resenha, parabéns!

    Beijokas da Quel ¬¬
    http://literaleitura2013.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Raquel. Fico feliz por ter gostado.

      ABS.

      Excluir

Postar um comentário

Mais Visitadas do mês

Os Guardiões | Crítica

Serial Killers - Anatomia do Mal | Resenha #95

Edgar Allan Poe | Resenha #89

Balançando a Raba 2.0

It - A Coisa | Crítica