Atividade Paranormal 5 - Dimensão Fantasma | Crítica



Estreia: 22/10/2015
Gênero: Suspense, Terror
Duração: 95 min.
Origem: Estados Unidos
Direção: Gregory Plotkin
Distribuidor: Paramount Pictures do Brasil
Classificação: 14 anos
Ano: 2015




Oi oi amigos.
Tudo certo com vocês?

Ontem tive a oportunidade de ir ao cinema e assistir o filme Atividade Paranormal 5 - Dimensão Fantasma.
Esse filme tem sido muito falado nos últimos dias. Como estou meio afastado do cinema por forças maiores, perdi meio que até uma noção de lançamentos (menos de A Esperança - O final) e nem sabia que esse filme seria lançado. Foi por meio de conversas mesmo do whatsapp que fique sabendo que tinha saído o filme e já estava nos cinemas. 



Não vi nem o trailer, já fui no cinema e quis acabar com aquilo logo.

Eu não me recordo muito bem dos outros filmes da franquia, apenas do quinto e do sexto. Assisti Atividade Paranormal 4 e me caguei todinho. Aquelas cenas que do nada aparecia aquelas pessoas com os olhos pretos "G-ZUIS". Fui com uns amigos da minha irmã e compramos barras de chocolate, resultado: saí todo sujo de chocolate, gritei que nem uma mocinha, nem lembro com quem dormi naquela noite. Já no sexto filme Atividade Paranormal: Marcados pelo mal assisti em casa mesmo. Como se passaram dois anos eu me amadureci :3 e não achei o filme lá todas essas coisas não. Já o último filme, meldeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeels, que filme do CARALHO. Gritei mesmo, escondi o rosto sim e assumo: Quero mais.


Atividade Paranormal 5 - Dimensão Fantasma me deixou no começo meio receoso de ser um filme ruim. O filme se inicia com aquela família toda alegre e tal, com preparativos para um natal alegre, cheio de emoções.  Enquanto o pai da família juntamente com seu irmão estão organizando alguns preparativos fora de casa, esse irmão abre uma caixa errada e nessa caixa está uma câmera e algumas fitas. O pai todo curioso fica perplexo com aquilo e resolve então olhar mais sobre ela. Essa câmera consegue captar alguns elementos não visíveis a olho nu e ele fica com aquela da "deve ser um problema nela" - meu amigo, o problema está na sua casa :). 




Assistindo a algumas fitas ele encontra uma filmagem feita aproximadamente no ano de 88 e naquela fita, uma garotinha começa a descrever o quarto de sua filha Leila - hahahahaha- nesse momento a porra fica pronta e o pai já começa a se tremer todinho com a gente no cinema...
O filme tem lá suas partes engraçadas.
Gente, a música de fundo me matava a cada segundo.
Leila é uma garotinha linda demais que encanta qualquer adulto, mas... quando está toda possuída não há ninguém que queira beirar.

Eu já saí do cinema naquele receio de encontrar uma criança e exorcizar -heuheuehuehue. 

Eu amei o filme e infelizmente foi dito pelo produtor Jason Blum que esse será o último filme da franquia. Também né gente... já fez muita gente ter pesadelos, se borrar, chorar. Mas quem é que não gosta de sofrer mesmo sabendo né? 

O filme tem suas partes em 3D e tem também algumas partes 2D que nos deixam triste porque quem está com o óculos, quando o filme fica normal e imagem fica escura e é HORRÍVEL.
Quando aos atores do filme... que elenco perfeito. Tudo muito bem estudado, momento jogado na hora certa, cenas bem feitas. A história do filme fica muito ligada ao quarto filme e mesmo quem não se lembra dele muito consegue montar a resposta de tudo. 

O mais engraçado são os comentários que eu escutei dentro do cinema tipo "Ai meu Deus, anoiteceu.", "não olha, não olha", "não filma caraaai", "a menina ta rindo" Sim, o demônio estava na frente dela e ela ":D" como pode?


Então é isso galera, quem viu o filme deixa aqui seu comentário, quem não viu deixa também, segue o blog e fique por dentro de tudo. Quem não viu, vá assistir porque o filme está um espetáculo, aaaaah não leve comida pra dentro da sala, você pode colocar tudo pra fora.

Fiquem com o Papai do céu e se cuidem.
Até a próxima postagem.
beijão :*

Comentários

Mais Visitadas do mês

Pequenos Homens Livres | Resenha #92

EX- Humanos: Entre Sangue e Vermes | Resenha #91

Missão Fênix - A Outra Guerra | Resenha #93

Balançando a Raba 2.0

Os Guardiões | Crítica